Volta para o início... Quer entrar em contato comigo? Câmara dos Deputados Câmara dos Deputados Senado Federal


Quinta-feira, Janeiro 30, 2003

Esplanada dos Ministérios

Acho que quem mora em Brasília, votou em Lula e tem, como eu, grandes esperanças nesse novo governo, deve compartilhar comigo uma sensação muito interessante quando passamos pela Esplanada dos Ministérios. Antes era inevitável olhar para aqueles prédios e, apesar de sua beleza e harmonia, fazer algumas caretas ou até soltar alguns palavrões. Agora é diferente. Na primeira vez que passei por lá após a posse, dei um sobressalto e pensei: "meu Deus, veja só quem é que está ocupando esse espaço agora!" Uma energia diferente está fluindo agora daquele lugar, pelo menos na minha percepção. Uma esperança que torço para se concretizar.

Hoje recebi um texto bem legal do Frei Beto e percebi que esse sentimento de surpresa é partilhado também com aqueles que estão lá, metendo a mão na massa.

Bem, além da semelhança do sentimento que ele expressa no texto, eu gostaria de destacar aqui um pequeno trecho:

São poucos dias dentro da máquina do governo. Mas uma só coisa me causa enfado: os pedidos de emprego, como se o Estado devesse manter a sua tradição clientelista de cabidão dos correligionários e amigos. Felizmente o novo governo se pauta por respeitar os funcionários de carreira, preservar os de notória competência, nomear para funções estratégicas e de confiança profissionais de relevante capacidade em suas respectivas áreas.

É incrível a quantidade de pessoas que aplaude o discurso, mas não acredita realmente nele ou, no mínimo, não entende realmente o que ele quer dizer. Lembro quando minha mãe foi nomeada Diretora Financeira da NOVACAP, em 95, no início do governo do Cristóvam. Ela trabalhou intensamente na campanha, quando dizia que eles queriam fazer um governo ético, que ela não estava naquela luta para proveito próprio, mas por uma causa na qual acreditava. Depois, pessoas que apoiavam e diziam concordar com o discurso queriam os favores. Tsc, tsc.

15:33 | comentários (1)


Quarta-feira, Janeiro 29, 2003

Sistemas multi task

Chego no banheiro da empresa e tá lá um caboclo tirando água do joelho enquanto escova os dentes.

- Pô, cara, você não sabe que certas coisas não combinam para se fazer ao mesmo tempo?
- É, mas você sabe que quem trabalha com sistemas multi task tem que saber se virar com esse tipo de situação, né ;-)

Então tá :-) É engraçado como as pessoas levam para o seu dia-a-dia termos e situações específicos de seu "material" de trabalho.

Agora, cá entre nós, as duas tarefas do cara aí de cima não combinam mesmo, independentemente da sua habilidade para executá-las em paralelo ;-)

14:01 | comentários (2)


Folia Real


Correio Braziliense
Espetáculo de rua com a companhia de teatro Esquadrão da Vida. Direção: Ary Pára-raios. Amanhã (30/1), às 17h, na Rodoviária do Plano Piloto. Sábado (1º/2), às 11h e às 13h, na Torre de TV.

O cearense Roberto Rios sentiu-se em casa. A carioca Hermínia Fonseca também voltou ao passado. Os dois estavam boquiabertos com a trupe de atores, que cruzou o Setor Comercial Sul ao som de canções populares. "Isso é muito comum nas ruas do Rio. Aqui, em Brasília, deveria ter muito mais", desejou a senhora, que há 30 anos mora na capital federal. "É muito parecido com as festas religiosas da minha terra", observou o nordestino.

Folia Real é espetáculo de rua concebido pelo diretor Ary Pára-raios. Passando por momento delicado de saúde, ele não pôde acompanhar, na manhã de ontem, o itinerário dos atores da companhia Esquadrão da Vida. Coube à filha Maíra, assistente de direção da peça, conduzir o grupo na temporada que vai até domingo. "Disse a meu pai que a gente estava vindo para cá apresentar Folia Real. Ele me respondeu: 'Minha filha é você que vai seguir em frente com minha arte'", confessou, emocionada.


Taí! Vou levar as meninas no sábado à Torre de TV.

10:55 | comentários (1)


Quinta-feira, Janeiro 23, 2003

orbiTouch


Esse brinquedinho aí em cima é o orbiTouch, um novo dispositivo de entrada de dados criado por uma tal de Keyboll, para substituir os atuais teclados. Eles garantem que o aprendizado é rápido e que pode reduzir em até 82% a ocorrência de LER, em relação aos teclados comuns.

O funcionamento é "simples", mas meio esquisito. Você tem dois "cursores", cada um com 8 posições possíveis, o que permite um total de 64 combinações diferentes. Cada combinação cria um caractere a ser transferido para o PC, como se fosse um teclado comum. Bem, não creio que seja possível conseguir uma velocidade de digitação nem próxima à de um teclado comum, muito menos que seja fácil aprender todas as combinações, mas sei lá, né. Quando aprendi a digitar também pensei que nunca decoraria as posições das teclas com essa distribuição maluca que é o QWERTY. De repente essa é mais uma das grandes revoluções do mundo cibernético. Vai saber...

15:13 | comentários


Efeitos colaterais do SPAM

Não preciso dizer a encheção de saco que é receber SPAM, né? Muito menos que a quantidade de mensagens indesejadas vem crescendo assustadoramente, né? Pois é, e com esses chatos, chatíssimos cada vez freqüentando nossas caixas postais mais freqüentemente, nós vamos sentindo alguns efeitos colaterais tão indesejados quanto o SPAM na nossa rotina com os e-mails.

Não sei se é com todo mundo, mas eu nem abro mais a maioria das mensagens que recebo. Antes eu ainda abria, para ter certeza de que era realmente SPAM, mas agora a quantidade é tanta que não dá mais para perder todo esse tempo.

Uma das coisas que eu tenho percebido ultimamente é a necessidade de se escrever corretamente o assunto (subject) das suas mensagens, mais do que antes, se você deseja realmente que ela seja lida pelo destinatário. Eu mesmo já apaguei sem ler diversas mensagens de amigos ou de empresas que prestam algum tipo de serviço para mim, como a hospedagem do site, por exemplo. Isso porque o assunto não era claro e direto o suficiente para que eu entendesse o conteúdo e, no caso da empresa de hospedagem do site, o remetente não identificava corretamente a origem, algumas vezes por ser enviado por alguma outra empresa que prestava algum serviço terceirizado.

Enfim, além desses putos encherem nossas caixas postais com lixo, ainda nos levam a perder mensagens que seriam importantes. Duplamente chatos, duplamente daninhos.

09:04 | comentários (1)


Segunda-feira, Janeiro 20, 2003

Preconceito e burrice

Marcas do preconceito:

Em Pernambuco, os fulniô são proibidos de falar a língua materna nas escolas. E os truká são impedidos de registrar os filhos com os nomes próprios da cultura - embora estejam livres para escolher identificá-los como Maicon, Carolaine ou qualquer coisa parecida com a pronúncia de nomes norte-americanos.

Mandaru, um indiozinho de dois anos, só pode ser chamado assim em casa. No registro em cartório ele é Ciço, nome de branco. Contra a vontade do pai, Joaquim Oliveira, 70 anos, índio do povo truká, de Pernambuco. "Quero que ele tenha nome de indígena porque é indígena", resume Joaquim. Mas em Cabrobó os cartórios não registram nomes indígenas.

"Passam por cima de nossas tradições. Escolhemos os nomes conforme a natureza determina, mas os brancos escrevem o que eles querem", critica o líder truká Aurivan dos Santos Barros. "Um promotor de Justiça chegou a entrar na nossa área e dizer que a gente não tinha direito nenhum de ser diferente, que o Código Civil foi feito para todos. No Nordeste, muitos promotores e juízes não conhecem a Constituição Federal."


Vocês repararam? Impedidos de registrar os filhos com os nomes próprios da cultura, embora estejam livres para escolher identificá-los como Maicon, Carolaine ou qualquer coisa parecida com a pronúncia de nomes norte-americanos. Absurdos que seguem impunemente acontecendo em terras brasileiras.

O que me deixa mais indignado é que os índios viviam aqui, num paraíso fenomenal, tocando a vidinha deles, num estilo de vida invejável, que deveria ter sido seguido pelos "colonizadores", e agora têm que ficar ouvindo coisas do tipo "índio é preguiçoso". Aí me chegam os povos "civilizados", querendo colocar todo mundo pra trabalhar pra eles, com uma ganância sem limites, querendo juntar a maior quantidade possível de "ouro", pra poder depois viver de sombra e água fresca em alguma praia paradisíaca.

Os caras eram tão burros e tão cegos que não perceberam que os índios sul-americanos já estavam dando o exemplo de que isso era possível sem precisar construir impérios e enriquecer. E, muito menos, sem precisar ser escravo do trabalho. Bastava aos colonizadores terem afundado suas caravelas e se incorporado à sociedade indígena. Talvez eles devessem também ter enviado um mensageiro de volta, informando que esse lugar era um verdadeiro inferno, cheio de vulcões em plena atividade e monstros inimagináveis comedores de gente. Talvez hoje isso aqui ainda fosse um paraíso...

15:25 | comentários (3)


Sexta-feira, Janeiro 17, 2003

Fome Zero - participe!

Mensagem enviada pelo Cláudio:

Oi, pessoal!

Os telefones do Programa Fome Zero do governo federal são:

0800-61-1995
0800-61-2777
0800-61-4115

Você pode colaborar fazendo sua doação.
Mas isso não ajuda a resolver o problema.
A melhor forma de participar é opinando, controlando, sugerindo.
Doando dinheiro ajuda, mas doar sem saber aonde foi a grana é uma forma cara de ser irresponsável.
Doar e virar as costas é um jeito comum de ser estúpido.
Pior que isso é só a atitude de quem acha que não tem nada com isso.

Ajude a consciência a dar frutos: semeie idéias.

Abraços,

Cláudio

É isso aí!

11:34 | comentários


Quarta-feira, Janeiro 15, 2003

Pochete: brega ou necessária?

Eu acho muito engraçada toda a crítica que se faz ao uso da pochete pelos homens: "que brega!". Será que é mais brega que andar com uma carteira recheada de cheques, cartões, documentos e, quem sabe, até dinheiro no bolso da calça; um celular pendurado no cinto; um som de carro na mão; um chaveiro (ou mais) pendurado no outro bolso; o palm top no bolso da camisa; e mais tantos outros penduricalhos necessários (???) à vida moderna? E onde vão os recibos e mais recibos de Visa Electron e de outros tipos de terminais eletrônicos?

Eu, particularmente, prefiro andar com tudo isso em uma só bolsa, por mais brega que seja, que me sentir como uma árvore de natal. Não uso o celular pendurado nem por decreto. Além de incômodo acho feio. Chaveiros, eu tenho 3. Um ou outro ainda vai no bolso, mas nunca todos. A carteira... não, no bolso só quando a ocasião exige REALMENTE que a pochete não esteja presente. Som do carro na mão... nem pensar. O Palm... ainda vou ter um ;-)

É, definitivamente a pochete ainda é a única solução para os homens modernos e tem mais gente que concorda comigo. Eu uso e assumo. E a minha é das grandes. Mas eu a uso de uma forma "elegante". A minha vai nas costas ;-)

Agora, para os críticos da pochete, e lanço um desafio: inventem coisa melhor, mais elegante e tão prática quanto a pochete, que eu aposento a minha.

10:40 | comentários (10)


Lula, VÁ a Davos!

Lula, VÁ a Davos!

09:53 | comentários


Sexta-feira, Janeiro 10, 2003

Domingo no parque

Bem, na verdade era uma sexta-feira, feriado ;-) Temos que fazer isso mais vezes. Ô trem bão é um parque de diversões. E, sinceramente, se ele for bem chulezinho, não fica muito a dever aos grandes. Basta estar disposto a se divertir :-) Esse em questão é a Nicolândia, no Parque da Cidade. Não é tão chulé assim, mas também não é nenhum PlayCenter - Eita! Ele ainda existe? Ainda é referência em diversões aqui no Brasil?

Clique em qualquer foto para ampliá-la.

O carrossel faz um incrível sucesso com as crianças mais novinhas. Pensando friamente, é um brinquedo bobo. Bichinhos ou veículos que ficam girando juntos, sem nenhum controle do seu "condutor". Mais bobo ainda se comparado com as maravilhas da tecnologia moderna. Mas... lembram daqueles ditadinhos que dizem que é nas coisas mais simples que se encontra a felicidade? Pois é... basta ver a cara de satisfação das mocinhas aí de cima ;-)

E o tobogã? Na última vez que tinha descido num desses eu ainda tinha muito, mas muito cabelo e eles ainda eram feitos de madeira. Havia raias para que não saíssemos da trilha e ainda tínhamos que nos prender bem ao pano, porque o contato com a madeira queimava que era uma beleza. Agora a garotada faz até acrobacias enquanto desce.

Enquanto fazíamos a primeira subida, de escada, eu e a Helena, ela ia gemendo e dizendo: "ai, papai, posso descer no seu colo? você me segura bem firme? não tem perigo, não?" E eu ia dizendo: "não, meu amor, não fica preocupada que não tem perigo e pode deixar que eu vou te segurar bem... agora sobe mais rápido, porque se não a gente não chega lá em cima hoje". Descemos gritando e antes que eu me levantasse ela já havia pegado um pano só pra ela e estava correndo escada acima. Agora eu que estava preocupado: "ei, pra que essa pressa? vai com calma!". E lá foi ela tobogã abaixo várias vezes, junto com as amigas. Ô brinquedo bão :-)

Outro prazer do tobogã é a vista. De um lado o próprio parque de diversões. Do outro o Parque da Cidade.

Parêntesis culturais: (Reparem na quantidade de pequenas árvores, ainda bem novinhas, por toda parte. Pois é, Brasília ainda está sendo arborizada, aliás, construída. A cada ano, milhares de árvores são plantadas. Temos muitas árvores por aqui, mesmo nas áreas mais centrais da cidade, mas ainda há também muito espaço "aberto". Muito trabalho a ser feito.)

Ha, ha. Levei a Helena e a Abigail para uma voltinha no Interprise. A Helena não quer mais nem chegar perto. Eu queria também fazer uma experiência e tirar uma foto lá de cima. Bem, saiu isso aí à direita. A câmera parecia pesar uns 100Kg :-)


E é isso aí. Parque de diversões é um barato! Preciso me lembrar de fazer isso mais vezes com as meninas...

18:07 | comentários (7)


Quinta-feira, Janeiro 09, 2003

Fila de banco

Hoje, depois de muito tempo, eu enfrentei filas de bancos. Três, numa mesma tarde, pra tirar o atraso. Fila de banco é um saco e, felizmente, já faz tempo que deixou de fazer parte da minha rotina. Desde os tempos do banco eletrônico do Unibanco (eca), via conexão discada. Mas até que as filas e os próprios bancos nos divertem pra compensar.

Na fila do BB, havia 2 meninas conversando atrás de mim. Primeiro uma delas estava falando de um dia na academia, sobre um cara que elas conheciam:

- ...a minha calça estava meio folgada, porque eu estou magra. Eu estava malhando o bumbum, quando ele chegou perto e disse que o meu cofrinho estava aparecendo. Não falou cofrinho, mas deu a entender...

É óbvio que metade da fila se virou para ver a figura, ou para olhar o cofrinho dela, como comentou a Nessa ;-) Tsc, tsc... é cada uma... Além de ir malhar com uma calça que deixa aparecer o "cofrinho", ainda conta isso em alto e bom tom em plena fila de banco.

Depois, as mesmas duas estavam falando de cachorros. A outra (não a do cofrinho) disse que a mãe disse que não faria seguro de saúde para o bichinho porque achava muita frescura. COMO ASSIM SEGURO DE SAÚDE PARA CACHORRO? Eu nunca tinha ouvido falar nisso. Depois piorou, quando a primeira disse que era bom ter seguro de saúde porque cobria, além das vacinas, o parto. COMO ASSIM O PARTO? Pra mim as cadelinhas sempre tinham seus filhotes por conta própria, no quintal de casa. Até elas já estão entrando nessas, é?! Pensando bem, até que para quem mora em apartamento pode ser uma boa levar a cadelinha para parir em uma maternidade canina. Mas pensando melhor ainda, eu nunca criaria um cachorro em uma apartamento. Tá bom, eu sei que vou pisar no calo de MUITA gente, mas esse é o meu ponto de vista.

Agora, pior ainda que fila de banco (ou não) são aquelas portas giratórias com detector de metais. Principalmente as mais sensíveis e que ainda ficam falando que "essa é uma porta com detector de metais, por favor...". Isso foi no BRB. Tive que tirar um monte de coisas da minha pochete - é, eu uso pochete, mas depois eu falo disso - em várias idas e vindas. Acabei enchendo o saco e enfiando a pochete inteira no porta trecos da entrada. E não é que o "seu guarda" nem quis saber o que tinha dentro? E se fosse uma arma? É todo um esquema de segurança que só serve pra irritar, já que basta eu colocar minha arma no porta trecos, pra poder entrar tranquilamente no banco. Tsc, tsc.

Depois, no mesmo BRB, presenciei uma cena no mínimo interessante. Já passava das 16:00 quando o painel que indica a próxima senha começou finalmente a andar rápido. A cada 2 segundos uma nova senha era chamada para o mesmo guiche. Uma caixa mais histérica, que queria ir logo pra casa. Como resultado, formou-se uma pequena fila de clientes com suas senhas indevidamente expiradas. Tsc, tsc.

Fila de banco é assim mesmo. É um saco, mas pelo menos a gente se diverte ;-) Ah, sim, eu falei que foram 3 bancos. É que no Banco de Bostom não havia fila. Aquilo sim é banco de gente!

19:34 | comentários (5)


Terça-feira, Janeiro 07, 2003

O Cuquirreirro

A Heloísa (2 anos e meio) está entrando naquela fase de pedir para desenharmos coisas pra ela e de realizar obras de arte abstrata com sua própria "visão" dessas coisas. Bem, na verdade ela já entrou nessa fase há bastante tempo. Eu é que ainda não tinha publicado nada aqui ;-)


Essa folha aí em cima foi sua última produção e está devidamente legendada pala Nessa, nas palavras exatas com as quais ela apresentou os desenhos.

"Bilisqueto da Helena ganhar de nevessálio"
Tradução: Bicicleta que a Helena vai ganhar de aniversário

A Nessa ainda tentou corrigir para "bilisqueta", mas ela confirmou: "não, bilisquetÔ".

"Uma fô pa vochê"
Tradução: Uma flor pra você

Gostei! Parece mesmo uma flor no vaso ;-)

"Fiz uma banana"
Dispensa tradução... do texto e do desenho!

"Cuquirreirro"
Tradução: Sei lá o quê que é isso! É qualquer coisa...

E viva a criatividade :-)

23:35 | comentários (2)


Quarta-feira, Janeiro 01, 2003

Depois eu volto...

Ó, agora eu vou me arrumar para ir à Esplanada assistir à posse do Presidente da República Federativa do Brasil. Vou com a minha câmara fotográfica, é claro. Depois eu mostro como foi ;-)

12:23 | comentários (5)


FELIZ ANO NOVO BRASIL!

Adeus ano velho
Feliz ano novo
Que tudo se realize
No ano que vai chegar
Muito dinheiro no bolso
Saúde pra dar e vender!

Bem, pessoal, espero que esse ano seja de muita arrumação de casa, lavação de roupa suja, de progresso, principalmente social, para o nosso país. Espero sinceramente que esse novo governo que toma posse hoje corresponda a essa grande esperança de boa parte dos brasileiros. Espero também que ele amoleça os corações de pedra dos incréus ;-)

Me desculpem misturar votos de "Feliz Ano Novo" com política, mas não da para ignorar o momento histórico que está se desenrolando a poucos quilômetros do lugar de onde escrevo. Aliás, minha mãe ligou há pouco - ela está com uma barraquinha montada na Esplanada, óbvio ;-) - e disse que aquilo lá já está um formigueiro humano. Talvez ela realmente me faça engolir a língua por ter dito que o Lula nunca conseguiria juntar a mesma massa de gente que a Seleção Penta ;-)

Agora, pra se ter esperança no país, é preciso que o povão também colabore, né! Um bocado mais de consciência vai bem. Um bocado menos de meteção de nariz na vida alheia, também. Consciência inclui o fato de que TUDO o que você faz tem efeitos também sobre um MONTE de outras pessoas. Se você quebra um bem público, outros serão privados de seu uso e TODOS irão pagar pelos prejuízos. É, com os impostos. "Tá, mas eu já pago os impostos, mesmo!" É, mas eles poderiam estar sendo usados para realizar coisas novas e não para consertar as que você destruiu. Consciência inclui também NÃO SUJAR a sua cidade. É, alguém vai ter que limpar, né, e alguém vai ter que pagar por isso, né. É, novamente os impostos. Menos meteção de nariz na vida alheia inclui fazer o SEU trabalho. Se você não faz nada, então mexa essa bunda e vá à luta. Se cada um fizer o seu trabalho e parar de criticar o do outro, o país será independente de governos.

Quanto a mim, espero poder realizar neste ano pelo menos ALGUMA das minhas metas. Não que me eu organize muito neste sentido. Para 2002 tinha estipulado apenas uma meta: quitar todas as minhas dívidas em termo de serviços pendentes. Não só não quitei nenhuma como arrumei mais 1 grande serviço inacabado. Vou tentar novamente. Espero também voltar a escrever com freqüência aqui. Este final de ano foi muito pauleira e o blog teve que ficar meio de lado.

11:02 | comentários






Zamorim
Alta Rotação
Álbum Digital
Criação Digital
Zamorim Futebol de Botão
Para jogar com papel e caneta
Zé Povão




imagens aleatórias::
www.flickr.com


leia e veja::
Unforgettable (patinação)
A Borboleta
Meus papeis de parede ;-)
A melhor coisa do mundo!
Um Ovário no Cisto

na minha caixa postal::
Boot
Quem é xiita?
Ensina teu filho
Resposta Casseta!
O Mundo Para Todos!
Mais textos...

ajuda::
Sobre o site
Sobre mim

contato::
Imeiou

arquivo::
2017:

2016:

2015:

2014:

2013:

2012:

2011:

2010:

2009:
10/8/4/3/1
2008:
9/8/7/6/1
2007:
12/11/10/9/4/3/2/
2006:
11/10/8/4/2/1
2005:
12/11/10/9/8/7/6/5/4/3/2/1
2004:
12/11/10/9/8/7/6/5/4/3/2/1
2003:
11/10/9/8/7/6/5/4/3/2/1
2002:
12/11/10/9/8/7/6/5/4/3/2/1
2001:
12/11/10/9/8/7/6/5/4/3/2/1
2000:
12/11/10/9/8/7/6/5/4/3/3+



para fora do site

feitos por mim::
Academia Alta Rotação
Bola Quadrada
Débora Amorim
Desconforme.com

brinquedinhos::
Álbum no Flickr
ET Brasil
SETI@Home P-Stats
MyBookmarks
Horizontes  (os meus)

do mundo físico::
Adriano Souza
Ana Paula
Ana Paula (fotos)
Débora Amorim
Lêda Margarida
Marcos Sebastian Alsina
Mariana
Nathália
Roberto Moriyama

diariamente ou não::
A List Apart
AlterNet: Top Stories
Burburinho
CliqueMusic
Communication Arts
Computerworld
Correio Braziliense
ei: Electronic Intifada
Em Tempo Real
ESA Science
Estadao
Info Exame
JB Online
MusicExpress
NASA Human Spaceflight
New Scientist
no mínimo
Nova-e
O Globo Online
Reporters without borders
Scientific American Brasil
SPACE.com
Spaceflight Now
The Fray
Universe Today
Visão Crítica
Web Insider

weblogs que leio (ou tento)::
Blog do Cristovam
Blog do Sena
Circulando.com
c o l a g e m
CrisDias
D i z e m. . .
Feira Moderna
Imprensa Marrom
Interludio.net
Lost Art Updates
Marcelo Cabral
Marketing Hacker
Matchbox
Mothern
no mínimo | Weblog
Os melhores do Mundo
Pensar Enlouquece...
Powazek productions
Ricardo Noblat
Terceira Base
The Chatterbox
The Daily Report
WowBlog

fotologs::
Bigempty
Daily Dose of Imagery
Chicaco Snapshot
Chromasia
Ephemera
Ficções do Interlúdio
Groundglass
Joe's NYC
New York Photoblog
Phutojunkie
Positive Negative
rion.nu
Satan's Laundromat
Shutterbug
Visual Resistance
Whateverland

brasília no flickr::
Brasília (tags)
Brasilia (tags)
Brasília (pool)
Andressa Reze
bom_de_ver
dimasmjunior
Fabio Cherman
Josa Jr
leonart
negativz
MrPixel
Quereco
The Girl Is Drinking Tea
virgu.lino

créditos e agradecimentos::
Blogger
BlogTree
Extreme Tracking
W.Bloggar



Inclui no Bloglines